Como uma reclamação de EEOC prejudica um empregador?

Quando a Comissão de Oportunidades Iguais de Emprego (EEOC) recebe uma reclamação de que um empregador discriminou ilegalmente seus trabalhadores, esse empregador pode passar por uma situação difícil. Os meses seguintes podem trazer pedidos oficiais demorados de informações, investigações intrusivas, grandes projetos de lei, publicidade negativa e, se a reclamação for mantida, danos dispendiosos.

O trabalho de base da EEOC

A EEOC investiga denúncias de discriminação com base em raça, cor, nacionalidade, religião, sexo, idade e deficiência. Em geral, apenas os empregadores com 15 ou mais funcionários estão sujeitos à supervisão da EEOC. Qualquer funcionário pode registrar uma reclamação EEOC, não apenas aqueles que foram vítimas de discriminação.

Procedimento de inspeção

Independentemente de saber se uma reclamação EEOC tem mérito, o empregador vai ter que investir tempo, esforço e às vezes dinheiro para lidar com isso. Quando um trabalhador faz uma reclamação, a EEOC notifica o empregador e pede uma "declaração de posição", na qual oferece sua versão da história. A EEOC segue com um pedido formal para que o empregador forneça documentos e outras informações relevantes para o caso, como cópias das políticas de recursos humanos da empresa e arquivos de pessoal.

A equipe da EEOC também pode visitar o local de trabalho, algo que a própria agência reconhece que pode ser prejudicial às operações da empresa. Enquanto estiver no local, a equipe pode solicitar ao empregador que disponibilize os funcionários para entrevistas. O empregador pode dizer não, mas a EEOC ainda pode contatá-los fora do trabalho - sem o conhecimento ou permissão do empregador.

Um procedimento típico de investigação

Toda essa atividade até agora é simplesmente apuração de fatos; a EEOC usará as informações que apresentar para determinar se a reclamação merece uma ação adicional. Nesse caso, ele segue para uma investigação formal, o que consumirá mais tempo e dinheiro. Os investigadores têm autoridade para intimar documentos da empresa, proibir o empregador de destruir quaisquer documentos de qualquer tipo sem permissão e obrigar os funcionários a prestarem declarações.

A EEOC diz que a investigação típica dura seis meses. Se o empregador não tiver um advogado envolvido no caso até o momento, ele precisa de um para aconselhar a administração sobre seus direitos e responsabilidades. Robin Shea, sócia da firma nacional de advocacia trabalhista Constangy Brooks & Smith, diz que os empregadores que operam sem advogado podem transformar até mesmo uma reclamação aparentemente trivial em uma investigação importante, admitindo involuntariamente que ocorreu uma violação ou fornecendo informações demais.

Mediação ou litígio caro

Um empregador pode evitar uma investigação formal da EEOC concordando em tentar resolver o assunto por meio de mediação ou resolvendo a reclamação. Fazer isso provavelmente obrigará o empregador a mudar suas políticas e procedimentos, e o empregador pode ter que compensar os funcionários que reclamaram. Mas o empregador não tem que admitir qualquer culpa ou responsabilidade, e quaisquer acordos podem permanecer confidenciais.

Se o empregador se recusar a mediar, ou se a EEOC concluir que o caso é muito sério para mediação, a EEOC pode processar o empregador. Mesmo que a EEOC decida não processar - ou tomar qualquer medida - os funcionários que apresentaram a reclamação reservam-se o direito de processar. Independentemente de se a EEOC ou o trabalhador processa, o litígio significa não apenas despesas legais consideráveis ​​para o empregador, mas também publicidade negativa.

Penalidades e Indenizações

As penalidades para uma reclamação de EEOC - seja resolvida por meio de mediação, acordo ou litígio - começam com o fornecimento de alívio para os trabalhadores que sofreram discriminação. Isso inclui pagar os salários atrasados ​​dos trabalhadores, reintegrá-los ou até promovê-los, dependendo da natureza da reclamação. Os empregadores podem ser obrigados a pagar as custas judiciais e judiciais dos reclamantes. As coisas pioram se o caso for a julgamento e o empregador perder.

O tribunal pode conceder indenizações compensatórias e punitivas aos funcionários que apresentaram a reclamação. Esses danos são limitados a US $ 50.000 por pessoa quando o réu é um empregador com 15 a 100 funcionários; $ 100.000 para empregadores com 101 a 200 funcionários; $ 200.000 para 201 a 300 funcionários; e $ 300.000 para mais de 300 trabalhadores. No entanto, em casos de discriminação salarial por idade e por sexo, os danos são limitados a um valor igual ao salário perdido dos funcionários reclamantes.

Postagens recentes